Skip to content

Atriz planeja abrir primeiro centro de reabilitação de mamíferos selvagens em Nova York

4 de agosto de 2015

01 de agosto de 2015 às 6:00

(da Redação)

Adair Moran, atriz e dublê, pretende abrir centro de reabilitação de pequenos mamíferos selvagens em Nova York. Foto: Nick Moran

Adair Moran, atriz e dublê, pretende abrir centro de reabilitação de pequenos mamíferos selvagens em Nova York. Foto: Nick Moran

Quando ela não está alimentando esquilos, ou dando banho em gambás órfãos em seu aconchegante apartamento no Bronx, Adair Moran pode ser vista pendurada em paredes ou saltando de telhados vestida como Bruce Wayne (Batman).

Cuidar de filhotes de esquilo e outros animais pode ser um trabalho gratificante, mas esse trabalho de reabilitação de vida selvagem geralmente é voluntário. Então, para pagar as contas, Moran depende de seu trabalho de atriz – mas ela não é uma atriz comum. Como dublê, ela executa manobras físicas “ultrajantes”, que a maioria das pessoas nunca se atreveria a tentar. Pular de telhados em chamas, cair de escadas e simular lutas diante das câmeras é o trabalho diário de Moran. Em breve, ela espera colocar em ação um empreendimento ainda mais improvável: abrir o primeiro centro de reabilitação de esquilos feridos, coelhos e outros pequenos mamíferos na cidade de Nova York. As informações são do site Science Line.

Antes de se mudar para Nova York, Moran viveu em Kansas City, no Missouri. Ela cresceu com sua mãe, Victoria Moran, uma ativista vegana que é autora de vários livros sobre ética, direitos animais,saúde e espiritualidade. Moran não só cresceu em uma dieta livre de crueldade, como tambémpassou grande parte de sua infância cuidando de animais, especialmente pássaros feridos e cães em situação de abandono. Toda vez que ela se deparava com uma criatura ferida ou órfã, ela pegava-acom cuidado e levava o novo paciente para casa. “Cresci definitivamente em um grande agregado familiar animal”, disse Moran.

Quando tinha nove anos, Moran foi matriculada em aulas de teatro e começou a se apresentar em peças locais. Aos 17 anos, ela se mudou para Nova York na esperança de encontrar oportunidadesde atuação. Dentro de alguns meses, Moran teve a sua grande chance, quando foi lançada comoRamona na produção teatral itinerante “Ramona Quimby“, e a sua carreira decolou a partir daí.

Embora ela ainda mantivesse a sua essência de amar os animais, Moran nunca teve a intenção de se tornar uma reabilitadora em Nova York. Mas os animais selvagens da cidade pareciam ter outros planos. Seu marido, o ator Nick Moran, diz que “os animais feridos são atraídos para ela. Eles simplesmente vão até ela”.

“Acontecia de eu encontrar pássaros feridos na rua o tempo todo”, conta Moran. “Eu levava esses pássaros para casa, e quis aprender mais sobre como cuidar deles, então decidi obter uma licença de reabilitadora de vida selvagem no estado de Nova York”. Conseguir aquela licença não só a ajudou a aprender a cuidar de pombos machucados, mas também levou o seu nome e as suas informações de contato para uma lista pública de todos os reabilitadores licenciados de Nova York. Quando ela assinalou a opção “aceita mamíferos” em seu formulário de inscrição, ela não tinha ideia do que estava para lhe acontecer.

E aí vieram os esquilos. “Eu estava completamente sobrecarregada com chamadas sobre filhotes deesquilos“, ela lembrou. Reabilitadores de animais selvagens licenciados em Nova York aparentementetendem a deixar aquela pequena caixa vazia em seus formulários de registro. Havia reabilitadoressuficientes de aves ao redor, mas muito poucas pessoas estavam dispostas a cuidar dos animais selvagens sem asas da cidade.

Assim, o apartamento de Moran tornou-se rapidamente um berçário de esquilos. A maioria deles veio para ela ou por terem caído de seus ninhos, ou porque foram rejeitados por suas mães que os consideraram defeituosos. Após o influxo inicial de esquilos, Moran começou a receber filhotes de gambá e de coelhos, muitas vezes vítimas de colisões rodoviárias ou de ataques de cães. Ela cuidou de alguns pássaros, mas os mamíferos tinham preenchido rapidamente a sua vida.

Como os bebês humanos, os filhotes de esquilo são alimentados com fórmula especial em intervalos de poucas horas, mesmo no meio da noite. Foto: Nick Moran

Como os bebês humanos, os filhotes de esquilo são alimentados com fórmula especial em intervalos de poucas horas, mesmo no meio da noite. Foto: Nick Moran

Para obter mais formação como reabilitadora, Moran ofereceu-se para ser voluntária no Wild Bird Fund, onde conheceu outras pessoas que compartilhavam da sua preocupação sobre a falta de cuidadores de mamíferos em torno da cidade. Então, Moran e dois colegas decidiram fundar a Urban Utopia Wildlife Rehabilitation, uma organização sem fins lucrativos e primeiro grupo de reabilitação demamíferos da cidade de Nova York.

Se tudo correr conforme o planejado, a Urban Utopia em breve será o segundo centro de reabilitação de animais selvagens da cidade, e o único exclusivamente para mamíferos. Antes do Wild Bird Fund ter aberto o seu centro de reabilitação de aves em Manhattan em 2012, com um investimento de 90 mil dólares, a cidade de Nova York era uma das poucas grandes cidades dos EUA sem qualquer instalação desse tipo. “Há uma grande carência de cuidados”, disse Rita McMahon, fundador do Wild Bird. O centro de McMahon tratou cerca de 1.500 aves no primeiro ano. Em 2014, foram mais de 3100, e o orçamento anual passou a 370 mil dólares. “A necessidade continuará aumentando”, disse McMahon. “Gostaríamos de incentivar pessoas a abrirem um centro, mas isso é realmente difícil de se fazer”.

Até que a Urban Utopia possa criar o seu centro, Moran vai continuar a manter os animais principalmente em seu apartamento. Os filhotes de esquilos, que não ocupam muito espaço, permanecem no interior de caixas de papelão e caixas de transporte de gatos. Os outros animais ficam no quintal, em grandes gaiolas empilhadas que o seu marido construiu para ela. Durante os meses mais frios, essas gaiolas permanecem vazias – entre dezembro e abril, ela raramente tem pacientes. Os bichos recém nascidos chegam com a primavera, e até o outono, a sua casa está cheia de bebês de esquilo. No ano passado, ela tinha 38 animais no total, com mais da metade deles tendo chegado no outono.

Neste momento, a equipe da Urban Utopia está trabalhando para recolher doações e subsídios, e planejar captações de recursos para arrecadar dinheiro para o centro que esperam abrir em Manhattan. Embora eles tenham levantado mais de 10 mil dólares até então, a maior parte desse dinheiro foi gasto em cuidados com os animais, e Moran diz que eles “não têm nada, diante da quantidade de dinheiro necessária para executar um centro totalmente funcional”.

Enquanto isso, eles trabalham para abrir um centro temporário em algum local de Manhattan na próxima primavera ou no outono, que são as estações mais movimentadas do ano. Este centro irá custar pelo menos 8 mil dólares, sem contar os custos operacionais em curso, disse Moran, queacrescentou que o maior desafio é encontrar um local acessível, que permita a ocupação por animais.

Moran espera que este centro temporário venha ajudar a trazer mais atenção – e mais doações – à Urban Utopia. “Isso vai ser um bom trampolim para, finalmente, obter um centro definitivo”, disse ela.

Os interessados ​​em ajudar a Urban Utopia a alcançar o seu objetivo podem doar através do seu site, ou verificar os seus eventos de angariação de fundos.

Fonte anda.jor

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: